Revolução Mexicana

A Revolução Mexicana (1910) começou como uma revolta contra o general Porfirio Díaz. No entanto, a insurreição acabou levando a uma prolongada guerra civil no México, que continuou até 1917.

Revolução Mexicana

O general Porfirio Díaz, como presidente do México, governou o país por mais de trinta anos. Suas intenções de permanecer no poder acabaram provocando revoltas contra ele.

Causas da Revolução Mexicana

Não só os fatores políticos levaram a uma revolução, mas os aspectos sociais também tiveram um peso muito importante na Revolução Mexicana. Assim, a distribuição desigual da riqueza, a pobreza e as dolorosas condições de trabalho dos trabalhadores, também geraram grande inquietação entre a população. Na verdade, os trabalhadores mexicanos trabalharam longas e exaustivas horas em troca de baixos salários.

Portanto, a vontade de Porfirio Díaz de continuar no poder, assim como sua incapacidade de responder aos graves problemas sociais que o México estava passando, acabaram levando à revolução.

A revolta contra Porfirio Díaz

Quando foi a Revolução Mexicana? Em 1910, o grande inimigo comum dos revolucionários era Porfirio Díaz. Por isso, tomando como lema "Sufrágio efetivo, sem reeleição", o político liberal Francisco Ignacio Madero convocou a população a se levantar para tirar Díaz do poder.

Oficialmente, a história considera 20 de novembro de 1910 como a data do início da revolução, e cada 20 de novembro é comemorado como o Dia da Revolução Mexicana.

No entanto, é importante mencionar que o político Aquiles Serdán foi descoberto dois dias antes (em 18 de novembro de 1910) pela polícia com porte de armas. Encurralados, Serdán e seus irmãos resistiram, mas acabaram morrendo. Precisamente a morte do Serdán contribuiria notavelmente para acender a chama da revolução.

O estágio Madero

A revolta de Francisco Ignacio Madero encorajou outros líderes a se unirem à causa contra Porfirio Díaz. Vale destacar os nomes de Emiliano Zapata, Pancho Villa, Pascual Orozco e Álvaro Obregón. Diante da pressão dos revolucionários, Porfirio Díaz não resistiu e em 25 de maio de 1911 renunciou à reeleição como presidente do México.

Finalmente, Francisco Ignacio Madero resultó elegido presidente, ascendiendo al poder un 6 de noviembre de 1911. El gobierno de Madero trató de dar respuesta a las demandas sociales de los mexicanos, sin embargo, se topó con la oposición y los enfrentamientos de otros líderes de a revolução Mexicana. Enquanto Zapata exigia extensas reformas agrárias, Orozco exigia profundas reformas sociais.

Em meio a esses confrontos, apoiado pelas forças de Pancho Villa, Madero conseguiu manter o poder por dois anos, enfrentando a pressão das forças de Zapata e Orozco. Porém, após dez convulsivos dias do golpe de Estado denominado “os dez trágicos”, Madero deixou o poder em fevereiro de 1913. Dias depois, Madero acabou sendo assassinado.

Victoriano Huerta no poder

Com a saída de Madero, Victoriano Huerta ascendeu à presidência do México. No entanto, Huerta encontrou uma forte rejeição e tachado de usurpador por quebrar a ordem constitucional, ele enfrentou um levante do exército constitucionalista, liderado por Venustiano Carranza. Ao lançar o Plano de Guadalupe, o encurralado Victoriano Huerta não teve escolha senão deixar a presidência.

Constitucionalistas vs. Convencionais

Tentando unir os líderes da Revolução Mexicana, Venustiano Carranza convocou a Conferência de Aguascalientes. No entanto, as divisões continuaram, levando a uma luta entre constitucionalistas e convencionistas. Assim, Carranza se estabeleceu como líder da revolução e dos constitucionalistas ao estabelecer sua administração na cidade de Veracruz. Ao contrário, os convencionalistas seriam liderados por seu presidente Eulalio Gómez.

Uma longa e sangrenta guerra civil devastou o México até novembro de 1916. Finalmente, o resultado de uma luta tão prolongada foi favorável aos constitucionalistas de Carranza.

A Constituição da Revolução Mexicana

Com a guerra tomando um rumo favorável para Carranza e para os constitucionalistas, era hora de redigir uma constituição para o México. Precisamente a Constituição mexicana marca o fim da etapa da Revolução Mexicana.

Entre os elementos mais importantes incluídos na Constituição de 1917 estão os seguintes:

  • Direitos e liberdades individuais para todos os mexicanos.
  • Fim da escravidão.
  • Uma educação de natureza secular.
  • Fortalecimento dos direitos dos trabalhadores.
  • Liberdade de crença com sua expressão limitada a residências particulares e templos religiosos.
  • Distribuição das terras e nacionalização das propriedades da Igreja.
  • O México se formou como um país democrático e com modelo de Estado de república federal.
  • Separação de poderes: executivo, legislativo e judicial.

No entanto, os confrontos não terminaram com a Constituição de 1917 e nos anos seguintes, os líderes mais proeminentes da revolução foram assassinados. Prova disso são as mortes de Pancho Villa, Álvaro Obregón, Emiliano Zapata e do próprio Venustiano Carranza.

A economia da Revolução Mexicana

O início das hostilidades no México teve efeitos importantes no trabalho. Nesse sentido, o tamanho da força de trabalho foi reduzido em decorrência do serviço militar, mortes ou simplesmente pela fuga de zonas de conflito. No entanto, nos centros industriais mais importantes do país, ainda existia uma oferta e demanda significativas de mão de obra.

No que diz respeito à força de trabalho, a Revolução Mexicana foi caracterizada por importantes demandas trabalhistas dos trabalhadores, principalmente em relação aos salários. Assim, foram criados sindicatos de trabalhadores, como a Casa del Obrero Mundial.

A agricultura também passou por mudanças importantes, já que no norte havia uma forte aposta em culturas como grão-de-bico e algodão, enquanto no centro-sul do país as lavouras comerciais deram lugar ao cultivo de alimentos básicos como o milho. e feijão. Deve-se notar que o ano de 1915 foi especialmente difícil para o México devido às colheitas desastrosas, que caíram para cinquenta por cento.

O transporte ferroviário era fundamental para o comércio e o abastecimento da população. No entanto, as ferrovias foram apreendidas para usos militares. Conseqüentemente, a ferrovia foi sabotada como parte da guerra. O resultado dos problemas relacionados ao transporte foi a proliferação do mercado negro. Agora, com a chegada de novas melhorias técnicas no transporte, aviões e caminhões começaram a ser utilizados.

Outra consequência das dificuldades de transporte foi que as áreas industriais do México sofreram recessão em 1913 e nos dois anos seguintes. Essa situação não foi resolvida até 1916, quando os níveis de produção se recuperaram. Também não devemos esquecer o crescimento experimentado por fontes de energia como petróleo e eletricidade.

Os efeitos da revolução foram terrivelmente duros para o setor financeiro. Assim, o colapso da atividade bancária em 1914 se agravou nos anos de 1915 e 1916, pois não havia autoridade bancária. O lado constitucionalista aproveitou esta circunstância porque, estando de posse dos núcleos comerciais do país, conseguiu financiar melhor a sua campanha militar.

Finalmente, deve-se notar que, após a aprovação da Constituição Mexicana de 1917, a economia do México foi colocada em uma posição de significativa dependência da economia dos Estados Unidos.

Corrido na Revolução Mexicana

Os corridos eram composições musicais muito populares durante a Revolução Mexicana. Serviram para contar a vida de heróis como Francisco Ignacio Madero, Emiliano Zapata, Francisco Villa ou Felipe Ángeles.

Essas canções eram em parte um instrumento de propaganda política. Mas também nos permitiram conhecer, para além da obra dos mencionados heróis, anedotas e fatos históricos da revolução.

Um dos corridos mais conhecidos é o da Adelita:

Se Adelita fosse com outro
Eu iria segui-lo por terra e por mar
se for por mar em um navio de guerra
se for por via terrestre em um trem militar.
Se Adelita quisesse ser minha esposa,
e se Adelita já fosse minha esposa,
Eu compraria para ela um vestido de seda
para levá-la para dançar no quartel.

As adelitas eram mulheres que participavam da revolução, não apenas cumprindo tarefas de apoio de caráter doméstico, mas no próprio campo de batalha.

Conseqüências da Revolução Mexicana

As principais consequências da Revolução Mexicana, em suma, foram as seguintes:

  • A renúncia de Porfirio Díaz.
  • A criação da nova constituição de 1917.
  • Separação entre o Estado e a Igreja.
  • Reforma agrária pela qual a terra era dada aos camponeses, formando uma nova classe de ejidatarios, ou seja, donos dos ejidos. Essas são terras de propriedade comum que não podem ser hipotecadas, mas são exploradas diretamente pelos agricultores.
  • Reconhecimento de direitos trabalhistas como sindicalização.