Gestão de riscos

A gestão de riscos é, na sua essência, o processo que inclui a identificação e avaliação dos possíveis riscos que uma ação acarreta, bem como a elaboração de um plano para os reduzir e as potenciais perdas.

Gestão de riscos

No mundo dos investimentos, por exemplo, são os processos de mensuração e quantificação das probabilidades de efeitos adversos nos mercados de investimentos financeiros. A gestão de risco, neste caso, foca na medição dos possíveis riscos envolvidos em uma determinada aplicação financeira. Da mesma forma e como falamos, envolve também o estabelecimento de planos de contingência e cobertura caso esses riscos se concretizem.

No mundo dos negócios, da mesma forma, refere-se a esses mesmos processos de mensuração e quantificação de probabilidades de ocorrência de riscos diversos, bem como às perdas que estes poderiam nos causar, apenas, neste caso, estamos falando de perdas. registrados pela empresa e não por um investidor específico. Em outras palavras, a empresa considera os riscos presentes (entrada de novos concorrentes, seu produto se torna obsoleto, etc.), ela contempla a probabilidade de sua ocorrência, ao mesmo tempo em que mede as possíveis perdas que esse risco, se concretizado, viria causa para a empresa.

Da mesma forma, lembremos que a empresa, neste processo de gestão de riscos, deve desenvolver um plano de contingência para que, caso algum risco se materialize, possa responder rapidamente e minimizar, na medida do possível, a perda potencial.

Portanto, estamos falando de um processo presente em diversos campos. Mas é preciso dizer que essa mesma gestão de riscos pode ser encontrada e aplicada em nosso dia a dia, até mesmo em nossas atividades de lazer. Quando viajamos, podemos considerar os possíveis riscos que existem, como adoecer, e aplicar planos de contingência, como a contratação de seguro saúde ou seguro contra acidentes. Da mesma forma, contratamos seguro em caso de cancelamento do voo, bem como seguro de atenção especial e assistência em viagem em caso de perda de nossos documentos, como o passaporte.

No entanto, é na esfera financeira que esta gestão de riscos assume especial importância.

Mas vamos ver primeiro quais são as etapas que devemos seguir em qualquer processo de gerenciamento de risco!

Passos a seguir na gestão de risco

Na gestão de riscos, como processo que é, devemos saber que há uma série de etapas que devem ser sempre seguidas.

Nesse sentido, as etapas a seguir são as seguintes:

  1. Identifique os riscos.
  2. Analise todos os riscos, separadamente e em conjunto.
  3. Avalie os riscos, a probabilidade de ocorrência e também as perdas potenciais.
  4. Avalie os planos de contingência, separadamente e em conjunto, bem como os planos alternativos em caso de insucesso.
  5. Reduzir os riscos, com a aplicação desses planos, bem como com a implementação dessas estratégias, investimentos ou outras ações que impliquem na redução do dano potencial.
  6. Monitore os riscos, verificando se nossos planos de contingência funcionam, bem como controlando a todo momento a probabilidade de sua ocorrência e os potenciais danos.

Gestão de risco financeiro

Na área financeira, a gestão de riscos é tida como uma das principais áreas de atuação. Bem, na verdade ele mede a volatilidade de um investimento ou ativo e, por sua vez, faz propostas de contenção em caso de crise.

Essa volatilidade, que deve ser levada em consideração em qualquer avaliação de investimento, deve ser combatida com a diversificação do investimento. Isso, de forma que o risco seja reduzido e possíveis perdas sejam compensadas.

A quantificação do risco é realizada por meio de técnicas e estudos baseados na experiência (empirismo). Ou seja, com variáveis ​​endógenas do ativo, e com variáveis ​​exógenas ou de mercado ou ambiente.

Tipos de riscos financeiros

Existem certos riscos em função da sua origem, e sempre em relação às oscilações dos mercados financeiros:

  • Risco de taxa de juros : devido a movimentos nas taxas de juros nacionais ou globais.
  • Risco de mercado: Especificamente, causado pela volatilidade dos títulos e outros ativos nos mercados financeiros.
  • Risco de moeda ou câmbio : Estes são os riscos derivados de mudanças nos mercados de moeda.
  • Risco de crédito: Decorre da possibilidade de uma das partes do contrato não assumir suas obrigações.
  • Risco de liquidez: Consequência de uma das partes envolvidas não assumir suas obrigações ou pagamentos. Isso, por não ser capaz de converter seus ativos menos líquidos em dinheiro ou dinheiro disponível.
  • Operacionais: Possibilidade de perdas financeiras originadas no meio ambiente, sejam elas procedimentos, processos, tendências do mercado global, obsolescência ou outros.
  • Risco país: É dado pela segurança jurídica e pela situação macroeconômica de um país.
  • Risco sistêmico ou risco mínimo: É o risco comum a um setor ou investimento financeiro.

Gestão de risco empresarial

No mundo dos negócios, como no mundo financeiro, a gestão de riscos é uma tarefa essencial para sobreviver em mercados cada vez mais globais e competitivos.

Todas as empresas no seu dia a dia enfrentam inúmeros riscos que devem ser levados em consideração. Então, vamos imaginar que temos uma loja que distribui um determinado energético no mercado. No entanto, o Governo de nosso país decide proibir o consumo de nossa bebida ou desaconselha seu uso. A empresa vai sofrer prejuízos e pode até fechar.

Outro exemplo poderia ser o que aconteceu com a empresa de tecnologia Huawei em 2020. Ou seja, após o veto norte-americano que a levou a abandonar o Android, além de inúmeras consequências que ocorreram após o referido conflito. Havia o risco de Donald Trump começar uma guerra contra a Huawei. Um risco que acabou se materializando, levando a Huawei a sair de diversos mercados; com as consequentes perdas que a empresa registou devido ao ocorrido.

Como podemos perceber, os riscos são inúmeros, e não tão improváveis ​​quanto os mencionados, com os quais devemos conviver. Imaginemos uma loja online que abandona a web e, por ficar inactiva durante 3 horas, perde mais de 60.000 euros em vendas. Com a gestão de riscos, estabelecemos um processo que nos levaria, por exemplo, a contratar um servidor mais estável; investir em pessoal técnico para fortalecer nosso site; bem como outras estratégias que permitem à empresa ser competitiva e sobreviver no mercado.

Portanto, estamos falando de uma atividade essencial no mundo dos negócios, que pode fazer a diferença entre a sobrevivência ou a morte de uma empresa.

Gestão de risco de TI

Por fim, outro campo em que a gestão de riscos ocupa uma posição muito relevante é o da informática.

Nesse caso, os riscos surgem da possibilidade de perda ou dano se uma ameaça explorar uma vulnerabilidade na segurança que nossos sistemas de hardware ou software apresentam. Nesse sentido, ter acesso para introduzir um vírus em nosso sistema, que impossibilite nossos clientes de utilizar nosso site, ou de acessar nossa conta bancária, por exemplo, transferindo capital para uma conta no exterior.

Portanto, como nos campos anteriores, estabelecer um sistema de gestão de riscos informáticos consiste, em primeiro lugar, em identificar todas as possíveis vulnerabilidades que o nosso sistema informático apresenta, o da empresa. Portanto, uma estratégia essencial para combater esse tipo de situação é reforçar a segurança dos arquivos digitais da empresa, bem como de todos aqueles documentos que contenham informações relevantes.

Dessa forma, podemos impedir as tentativas de acesso por ladrões de computador e outros cibercriminosos. Bem, devemos saber que no mundo da computação existem tantos riscos, ou até mais, do que nos campos mencionados. E tendo em conta a relevância desta disciplina e a crescente digitalização, a tendência mostra-nos que esta gestão de risco de TI será cada vez mais frequente em todos os tipos de empresas.