Dinheiro eletronico

Dinheiro eletrônico é um valor ou meio de pagamento armazenado em meio eletrônico. Assim, através deste sistema é possível realizar transações sem necessariamente envolver um banco ou outra entidade financeira.

Dinheiro eletronico

O dinheiro eletrônico, em seu conceito mais amplo, inclui qualquer sistema de pagamento que envolva um meio digital. Desta forma, inclui cartões pré-pagos, cartões de crédito ou carteiras eletrónicas, entre outros. Todos esses meios usam software, em alguns casos hardware, e uma conexão com a Internet para realizar transações. Quase todos eles são amplamente usados ​​e conhecidos pela maioria das pessoas.

Um conceito mais restrito de dinheiro eletrônico refere-se ao dinheiro expresso em bits (a unidade mínima de informação na computação). Assim, é um meio de pagamento que não possui unidade física e suas transações são realizadas por meio da troca de bits, sem a utilização de cédulas, moedas ou qualquer outro meio convencional. Este tipo de dinheiro também é referido como "dinheiro eletrónico", "dinheiro digital" ou "moeda cibernética".

Como funciona o dinheiro eletrônico

O dinheiro eletrónico, no seu sentido mais amplo e conhecido, funciona como meio de pagamento virtual, mas é expresso e garantido em unidades monetárias comuns (euros, dólares, etc.). Além disso, eles podem ser transformados em dinheiro.

Por exemplo, se temos um cartão pré-pago de 1.000 euros, sabemos que já depositamos esse valor e podemos utilizá-lo em transações até que esse valor seja coberto. Do mesmo modo, se nos derem um cartão com uma quota de 3.000 euros, teremos então de pagar esse valor, acrescido dos juros que nos cobram, todos expressos em euros.

No caso do dinheiro eletrônico estrito, seu valor é expresso e armazenado em bits. Quando um emissor dá dinheiro virtual a uma pessoa, ele entrega um arquivo eletrônico com um conjunto de bits criptografados. Esses bits nada mais são do que informações eletrônicas armazenadas em um microchip que pode ser conectado a um cartão digital.

Com o dinheiro eletrônico (estrito), as transações podem ser feitas pela internet, telefone celular ou televisão interativa de forma instantânea e confidencial. A transação é de um chip para outro e não requer a intermediação de um banco ou ter conta em banco.

O valor do dinheiro eletrônico emitido por um agente dependerá da credibilidade e aceitação que encontrar entre seus usuários virtuais. Alguns emissores decidiram respaldar seu dinheiro eletrônico em ouro (como e-gold) como forma de dar mais confiança a seus usuários.

Vantagens do dinheiro eletrônico

O dinheiro eletrônico tem vantagens importantes sobre o dinheiro fiduciário:

  • Evite os custos e riscos associados ao transporte e / ou armazenamento de grandes quantias de dinheiro.
  • É possível programar o chip com dinheiro eletrônico para que só possa ser utilizado para um determinado destino, eliminando assim o risco de desvio, roubo ou extravio. Assim, por exemplo, é possível programar que o dinheiro eletrônico só possa ser gasto em uma determinada loja. Dessa forma, se mandarmos uma pessoa para comprar materiais, ela não poderá gastar parte do dinheiro em outros usos.
  • Em alguns casos, é possível fazer transações em total sigilo e anonimato.
  • Proporciona maior liberdade aos agentes para realizar trocas.

Desvantagens do dinheiro eletrônico

Existem também desvantagens e riscos significativos no uso de dinheiro eletrônico. Descrevemos alguns deles abaixo:

  • É mais difícil para os bancos centrais calcular a oferta de moeda e, portanto, executar a política monetária.
  • Dada a falta de controle, as transações de dinheiro eletrônico podem sonegar impostos com a consequente queda nas receitas do estado.
  • As transações em ambiente digital dificultam a determinação de quem é a autoridade competente para o controle e sanção das atividades ilegais.
  • Surgirão novas formas de crime eletrônico que podem ser mais complexas.
  • As atividades de lavagem de dinheiro, fraude e financiamento ilegal têm maior probabilidade de passar despercebidas.
  • Falhas ou ataques de computador podem ter consequências graves.

Futuro do dinheiro eletrônico

Atualmente, o uso de dinheiro eletrônico (estrito) é limitado, mas espera-se que cresça com o tempo. Para aproveitar suas vantagens, devemos já desenhar mecanismos que nos permitam reduzir seus riscos e danos.

Assim como no passado considerávamos impensável que o dinheiro não tivesse garantia em ouro, hoje devemos nos adaptar à ideia de que é possível que o dinheiro saia definitivamente da sua forma física para se tornar um meio de pagamento digital.