Capitalismo

O capitalismo é um sistema econômico e social baseado no fato de que os meios de produção devem ser propriedade privada, o mercado serve como um mecanismo para alocar recursos escassos de forma eficiente e o capital serve como fonte de geração de riqueza. Para fins conceituais, é a posição socioeconômica contrária ao socialismo.

Capitalismo

Um sistema capitalista é baseado principalmente no fato de que a propriedade dos recursos produtivos é privada. Ou seja, devem pertencer ao povo e não a uma organização como o Estado. Como o objetivo da economia é estudar a melhor maneira de satisfazer as necessidades humanas com os limitados recursos de que dispomos, o capitalismo considera que o mercado é o melhor mecanismo para fazê-lo. Por isso, ele acredita ser necessário promover a propriedade privada e a concorrência.

Os fatores fundamentais de produção são trabalho e capital. O capitalismo propõe que o trabalho seja fornecido em troca de salários em dinheiro e deve ser livremente aceito pelos empregados. A atividade econômica é organizada de forma que as pessoas que organizam os meios de produção possam obter um lucro econômico e aumentar seu capital. Os bens e serviços são distribuídos através de mecanismos de mercado, promovendo a competição entre as empresas. O aumento do capital, por meio do investimento, ajuda a gerar riqueza. Se os indivíduos buscarem ganhos econômicos e competição de mercado, a riqueza aumentará. E com o aumento da riqueza, os recursos disponíveis aumentarão.

Capitalismo e socialismo

As economias capitalistas são caracterizadas principalmente pelo fato de que empresas e indivíduos produzem e trocam bens e serviços no mercado por meio de transações econômicas por meio de determinados preços. Desse modo, pode-se apontar que é o indivíduo que, por meio das organizações empresariais ou financeiras, toma a iniciativa econômica e toma as decisões.

O sistema oposto em termos de propriedade privada ao capitalismo é o socialismo, que basicamente defende o conceito de propriedade social dos elementos de produção ou de bens. Desta forma, como resultado da defesa da propriedade privada, emergem as demais características capitalistas: defesa dos interesses próprios e individuais, sistemas de preços e existência de concorrência no mercado.

Ao longo dos anos, as posições socialistas evoluíram de suas premissas mais clássicas para uma posição mais aberta e receptiva ao livre comércio. Sob certas premissas básicas como o controle dos governos na esfera econômica e financeira e a proteção do cidadão para evitar situações de desigualdade ou abuso social. Esses são sistemas econômicos mistos conhecidos como socialismo de mercado ou social-democracia.

Origem do capitalismo

Outros nomes pelos quais o capitalismo foi chamado desde sua origem são "economia de mercado livre" ou "economia livre".

Embora tanto os mercadores quanto o comércio tenham existido desde o surgimento das primeiras civilizações, o sistema capitalista não apareceu até o século 13 na Europa. O capitalismo foi o sistema econômico que substituiu o feudalismo em grande parte do mundo. Antes do capitalismo, o trabalho era uma obrigação que derivava de laços de servidão senhorial, da escravidão ou como uma obrigação sócio-moral de alguém para com sua comunidade. O capitalismo surgiu para propor trabalho em troca de capital (salários), ao invés de servidão ou escravidão, daí seu nome.

Veja o artigo completo sobre a origem do capitalismo.

História do capitalismo

As ideias do capitalismo, iniciadas no século XIII, como já mencionamos, deslocaram as que predominaram na Idade Média. Posteriormente, foram reforçados pelo processo de colonização do continente americano pelas potências europeias a partir do século XV. Isso devido ao intercâmbio comercial que se gerou entre as metrópoles e suas colônias no novo continente.

Mais tarde, no século 18, foi relevante a contribuição de Adam Smith, que publicou "A Riqueza das Nações" onde defendeu os princípios do mercado livre. Smith poderia ser considerado o criador do capitalismo, embora isso seja discutível.

Usando a metáfora da "mão invisível", Smith argumentou que uma sociedade alcançaria maior bem-estar se o estado permitisse que o mercado funcionasse por si mesmo, através da lei da oferta e da demanda. Desta forma, o pensador escocês garantiu, se cada um perseguir o seu próprio benefício, a comunidade como um todo também alcançará a melhor situação possível.

As ideias do capitalismo foram posteriormente sustentadas pelo Renascimento e pelo Iluminismo, que substituíram o sistema conhecido como Antigo Regime e deram origem aos Estados modernos.

O capitalismo foi posteriormente questionado por um dos pensadores mais emblemáticos do século XIX, Karl Marx, que argumentou que o sistema capitalista favorecia a exploração de um grupo da população, o proletariado, pelos proprietários dos meios de produção, os capitalistas. Nasceu assim uma corrente de pensamento socialista que foi levada ao extremo com o sistema comunista da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) no século XX. Porém, o modelo por ele proposto, de uma economia estadual totalmente centralizada, não obteve os resultados esperados.

Nesse contexto, houve uma virada muito importante na história, a queda do Muro de Berlim em 1989, que de certa forma significou a vitória da liberdade econômica sobre o modelo comunista. No entanto, o capitalismo teve que admitir a intervenção do Estado em certos aspectos ou setores como a educação e a saúde.

Deve-se notar que em cada crise econômica (como o subprime de 2008 ou o Grande Confinamento devido à pandemia do coronavírus) o sistema capitalista é questionado, e os economistas estão propondo novas medidas para garantir que os benefícios do mercado livre possam chegar a todos ( ou quase toda a população. Mas é um debate que vai continuar e sobre o qual parece que nunca haverá um acordo unânime.

Características do capitalismo

Os princípios básicos do capitalismo são:

  • Defesa dos direitos individuais : propriedade privada do capital e meios produtivos.
  • Liberdade de empresa : Através da qual é possível realizar projetos empresariais ou acabar com eles.
  • Mercado competitivo : Significa que o preço de troca se dá pela interação da oferta e da demanda com a menor interferência possível do Estado.
  • Neste mercado com múltiplas opções e alternativas de produtos que os particulares têm a possibilidade de escolher. Nele se configuram as decisões de demanda e oferta que dão origem a equilíbrios e preços.

Nessas bases, os integrantes do espectro econômico atuam na busca do próprio interesse e na maximização de seus benefícios, acumulando e utilizando para isso capital. Alternativamente, os trabalhadores que participam do sistema contribuindo com mão de obra recebem em troca um salário ou outro tipo de remuneração que satisfaça sua utilidade e lhes permita obter os bens ou serviços de que necessitam.

O papel do estado no capitalismo

A principal tarefa do governo sob o capitalismo é controlar as falhas do mercado. Além disso, deve evitar que o sistema conduza a situações abusivas e deve encorajar a concorrência. Sob este conceito, existem diferentes tipos de sistemas derivados, como capitalismo monopolista, capitalismo financeiro ou neo-capitalismo.

Nesse sentido, destaca-se a escassa presença e influência do poder político no mercado, pois permite que proprietários ou empresários operem com alto grau de liberdade e independência para obter benefícios. Com isso, os empregadores conseguem reinvestir nas empresas e o pagamento aos trabalhadores. Ao mesmo tempo, supõe a redução do poder que o Estado tem no dia-a-dia financeiro e empresarial. Dando, desta forma, maior peso aos agentes privados e cuidando da fiscalização dos mercados.

Os defensores da privatização dos meios de produção freqüentemente argumentam que a empresa privada geralmente é melhor administradora de controle e direção do que o Estado. Para o qual, a burocracia ou suas múltiplas responsabilidades os impedem de realizar esta tarefa com eficiência. Para além do facto de uma empresa ser aberta, são os cidadãos que suportam os eventuais prejuízos decorrentes de uma melhor gestão. Por outro lado, quando é privada, é a própria empresa que assume todo o risco.

Os liberais argumentam que em um mercado onde há competição, as empresas são capazes de melhorar produtos e serviços, mudando a estrutura de custos para poder oferecer mais qualidade a preços mais baixos. Reduzir o papel do Estado e sua interferência nos mercados é um dos alicerces do capitalismo e da economia ocidental mais recente.

Exemplos de capitalismo

Alguns exemplos de capitalismo podem ser:

  • Os Estados Unidos é o país que mais se identifica com o capitalismo, este se destacou particularmente durante o período da Guerra Fria, quando se caracterizou por ser um antagonista da URSS onde se implantou um sistema comunista.
  • Outro tipo de capitalismo é o da China, que optou pela abertura comercial, apesar de ter, politicamente, um sistema de partido único.
  • O capitalismo pode ser considerado, no âmbito microeconômico, um mercado onde o Estado não intervém para ditar às empresas um preço e uma quantidade de produção.